HISTÓRIA DO PRÊMIO SÃO SARUÊ, ou Crônica de um trabalho louco

.

Em 1978, quando a abertura política ainda era uma distante luz no fim do túnel, a Federação de Cineclubes do Estado do Rio de Janeiro criou o Prêmio São Saruê, em homenagem ao filme do cineasta paraibano Vladimir de Carvalho. Desde o governo Médici (esconjuro!) o filme do mofava nos depósitos da Censura Federal, e era uma espécie de símbolo da repressão que amordaçava a sociedade brasileira.

Fugindo à simples badalação do estrelato tupiniquim, o São Saruê pretendia refletir uma opinião dos cineclubes sobre nossa produção cinematográfica. Entre as pornochanchadas e os filmes históricos que assolavam as telas, o São Saruê deveria estimular as obras voltadas paras a discussão da realidade brasileira, sem no entanto eleger um tipo de filme “necessário”. A idéia era destacar os filmes que abordassem a sociedade tão criticamente quanto os próprios cineclubes.

Vladimir de Carvalho vem acompanhando o Prêmio desde sua criação. Finalmente liberado, O País de São Saruê foi exibido com sua presença durante a entrega do I Prêmio São Saurê, em 1979 no Cine Ricamar, e recebeu um Prêmio Especial. Em 81, já no Cineclube Macunaíma, o São Saruê lançou o seu segundo longa-metragem: O Homem de Areia. E quem foi à entrega do Prêmio ano passado, também no Macunaíma, assistiu a pré-estréia de O Evangelho Segundo Teotônio, com direito a conversar com o diretor na saída.

QUEM GANHOU

I PRÊMIO SÃO SARUÊ – 1979…

filmes de 78 A Queda, de Rui Guerra e Nelson Xavier;

                                                                              Chuvas de Verão, de Cacá Diegues; Tudo 

                                                                              Bem, de Arnaldo Jabor; Lúcio Flávio, o 

                                                                              Passageiro da Agonia; de Hector Babenco; 

                                                                              Se Segura Malandro, de Hugo Carvana. 

                                                                              Prêmio Especial: Vladimir de Carvalho e       

                                                                             Noilton Nunes, autor do curta-metragem      

                                                                             Leucemia. Sessão comemorativa: O País de 

                                                                             São Saruê.


II PRÊMIO SÃO SARUÊ – 1980…

filmes de 79                                                      Terra dos Índios, de Zelito Vianna; Cabeças 

                                                                            Cortadas, de Glauber Rocha; O País de São 

                                                                            Saruê, de Vladimir de Carvalho; (que 

                                                                            constava como produção de 1979); Delmiro

                                                                            Gouvêa, de Geraldo Sarno; Os Mucker, de

                                                                            Jorge Bodanzki e Wolf Gauer. Prêmio

                                                                            Especial: João Batista de Andrade. 

                                                                            Sessão Comemorativa: curtas-metragens.


III PRÊMIO SÃO SARUÊ – 1983…

Filmes de 80

Gaygin, de Tizuka Yamazaki: Os Anos JK, de Silvio

                                                                 Tendler; Pixote, de Hector Babenco; Até a Última 

                                                                 Gota, de Sérgio Rezende; Bye, Bye Brasil, de Cacá 

                                                                 Diegues. Homenagem a Glauber Rocha, Flávio 

                                                                 Migliachio e José Dumont.


IV PRÊMIO SÃO SARUÊ …1983

filmes de 81

(em 82 não houve entrega) Eles não Usam Black-Tie, de Leon Hirszman; O 

                                                                  Homem Que Virou Suco, de João Batista de 

                                                                  Andrade; Beijo no Asfalto, de Bruno Barreto; O

                                                                  Homem de Areia, de Vladimir de Carvalho; Eu Te 

                                                                  Amo, de Arnaldo Jabor. Prêmio Infantil: Os 

                                                                  Saltimbancos Trapalhões, de Renato Aragão. 


V PRÊMIO SÃO SARUÊ… 1983

filmes de 82 Memórias do Medo, de Alberto Graça; Jânio 24 

                                                                 Quadros, de Luiz Alberto Pereira; Meow, de Marcos 

                                                                 Magalhães; República Guarany, de Silvio Back; O

                                                                 Homem do Pau Brasil, de Joaquim Pedro de 

                                                                 Andrade.


VI PRÊMIO SÃO SARUÊ … 1984

Filmes de 83 O Segredo da Múmia, de Ivan Cardoso; Fala

                                                                  Mangueira, de Frederico Confalonieri; Vinicius de 

                                                                  Moraes, de Suzana Moraes e Mato Eles?, de Sérgio

                                                                  Bianchi; Animando, de Marcos Magalhães. Prêmio 

                                                                   Infantil: o conjunto da obra de Stil Pen, autor de A 

                                                                   Feiticeira da Baixada, Até tu, Barão?, etc. Prêmio 

                                                                   de Vídeo: Viagem ao Fim de uma Era, de Fernando

                                                                   Gabeira. Homenagem: Wilson Grey. Sessão 

                                                                   Comemorativa: O Evangelho Segundo Teotônio,

                                                                    de Vladimir Carvalho.

SÃO SARUÊ 85: UM PRÊMIO À PROCURA DE UM GANHADOR

Arnaldo Jabor, Renato Aragão, Cacá Diegues, Bruno Barreto, Leon Hirszman, Nélson Pereira dos Santos. Será que o cinema brasileiro se resume a estes nomes? Sabemos que não, por trás da luz ofuscante das grandes estrelas, existem centenas de lamparinas, cujo brilho é desconhecido do grande público: Ivan Cardoso, Fernando Coni Campos, Denoy de Oliveira, João Batista de Andrade, Hermano Penn, só para citar alguns nomes.

Cada vez mais o cinema nacional rareia as programações dos cineclubes. Enquanto passamos pela enésima vez aquele filme do Bergman, filmes brasileiros maravilhosos mofam nas prateleiras da Embrafilme, à espera de serem exibidos. São muitas as dificuldades de exibir o filme nacional. Como se não bastasse, a ausência de cópias em 16mm (um mercado cada vez mais rarefeito), a Embrafilme a cada três meses, eleva os preços a níveis mais e mais estratosféricos.

Resultado: os próprios cineclubistas só conhecem o cinema nacional que é exibido nas salas comerciais. Na hora de votar o Prêmio São Saruê, escolhem um dos filmes que viu no cinema, ou seja: Jabor, Cacá, etc. Terminam reforçando, portanto, a organização comercial que procuram combater. 

Para a FCRJ, o São Saruê deve estimular justamente a produção nacional independente, marginalizada do circuito comercial. Por isso a escolha, ano passado, de o Segredo da Múmia, um de pequena produção, paródia dos filmes de terror e com o ator Wilson Grey – um campeão do cinema nacional que já participou de mais de 200 filmes – num dos papéis principais.

A condição “filme de crítica à sociedade brasileira” deixou de ser prioritária, à medida que o cineclubismo deixou de ser uma atividade de resistência ao autoritarismo. Não temos critérios estéticos felizmente, e podemos escolher o que bem nos aprouver. Consultem a lista, faça a sua escolha e briguem por ela: o prêmio é seu.

Texto da Federação de Cineclubes do Rio de Janeiro, sem data. Conservamos a ortografia e procuramos nos aproximar o máximo possível do formato original. O documento extraído do acervo pessoal de Diogo Gomes dos Santos.  

Deixar uma resposta