Linha do Tempo

A ideia dessa “linha do tempo” é realçar datas importantes para o cineclubismo. Data importante é aquela que tem significado não só para o cineclube, mas para o cineclubismo da sua comunidade, bairro, cidade, estado ou país.  Eurides, o poeta grego, dizia que cada um dá às palavras a intenção que lhe interessa.

Cultivamos o livre pensar.

Para ficar mais dinâmica, a sugestão é que a justificativa para cada data sugerida, não ultrapasse 5 linhas.


Na medida do possível, vamos manter a cronologia temporal.

Mande sua sugestão para:  [email protected]

1917

Cineclube Paredão

Rio de Janeiro – Primeira experiência cineclubista do país.

1917
1928

Chaplin Clube

Rio de Janeiro – Primeiro cineclube com Diretoria eleita e registrado em Cartório. O que diferencia o Chaplin Clube do Cineclube Paredão, é que o Chaplin registrou suas atividades, o primeiro não, o que não anula sua experiência.

1928
1931

Foi realizada a primeira exibição do filme “LIMITE” de Mário Peixoto

Em 17 de maio, no cinema Capitólio, no Rio de Janeiro, pelo Chaplin Clube.

1931
1939

Fundação do “Foto Cine Clube Bandeirantes”

No dia 17 de abril. As sessões de cinema aconteceram a partir de 1941. O Clube existe até hoje, mas as sessões cineclubistas encerraram na década de 1960, com a edição do AI-5.

1939
1940

Fundação do Clube de Cinema de São Paulo

Sua primeira sessão foi proibida pelo DIP – Departamento de Imprensa do Estado Novo, governo de Getúlio Vargas.

1940
1965

Criação da primeira entidade representativa de cineclubes no Brasil

Dia 26 de outubro de 1956, foi criada a primeira entidade representativa de cineclubes no Brasil: “O Centro de Cineclubes de São Paulo”, por Carlos Vieira e seu grupo.

1965
1959

I Jornada de Cineclubes Brasileiros

Aconteceu a “I Jornada de Cine-Clubes Brasileiros”, em São Paulo, nas dependências da Cinemateca Brasileira.

1959
1962

Fundação do Conselho Nacional de Cineclubes

No dia 26 de maio de 1962 foi fundado o Conselho Nacional de Cineclubes, na cidade de São Paulo, numa assembleia formada pelas Federações Estaduais de Cineclubes, atendendo a deliberação da III Jornada de Cineclubes Brasileiros. A partir da fundação do CNC, a jornada passou a ser denominada de: “Jornada Nacional de Cineclubes”.

1962
1962

Filme “O Pagador de Promessas” de Anselmo Duarte

“O Pagador de Promessas” de Anselmo Duarte, produção da Cinedistri, instalada até hoje no território cinematográfico paulista, pejorativamente denominado “Boca do Lixo”, ganha a única Palma de Ouro do Cinema Brasileiro.

1962
1965

CNC cria o Festival do Filme Brasileiro de Curta-Metragem

O Festival do Filme Brasileiro de Curta-Metragem, teve sua primeira edição na cidade do Salvador, BA, a segunda em 1966 na cidade de Fortaleza e a Terceira em 1968, em Brasília, quando a Ditadura proibiu três filmes da competição. O festival foi interrompido e posteriormente encerrado, devido ação da Censura da Ditadura Civil/Militar.

1965
1968

VII Jornada em Brasília

Aconteceu em fevereiro de 1968, a VII Jornada em Brasília. Devido a proibição dos filmes do Festival do Filme Brasileiro de curta-metragem, travou-se uma batalha épica contra a censura. Logo em seguida, mas não por causa dela, foi editado o AI-5, levando todas as organizações sociais do país à clandestinidade.

1968
1968

Lei 5.536

No dia 21 de novembro, foi editada a Lei 5.536, que reconhece e define o que é um cineclube. A Lei não foi revogada, está em desuso.

1968
1973

Articulação Cineclubista

Reunidos durante a Jornada de Cinema da Bahia, 1973, lideranças cineclubistas decidem reorganizar o Movimento Cineclubista Brasileiro e parte para realizar a VIII Jornada, no ano seguinte, 1974 em Curitiba.

1973
1974

VIII Jornada em Curitiba

Aconteceu a VIII Jornada em Curitiba, o Movimento foi reorganizado e de lá saiu a “Carta de Curitiba”, documento que norteou as atividades dos cineclubes nas décadas de 1970 e 1980 e até hoje exerce influência no cineclubismo.

1974
1977

Primeira Invasão Dinafilme

 No dia 1º de março de 1978, a sede da Federação Paulista de Cineclubes, do CNC e da Dinafilme, instalados na Rua do Triunfo nº 134, 8º andar, salas 84/85, em São Paulo, foram invadidas pela Polícia Federal, levando 77 filmes do acervo da Distribuidora.

1977
1978

Dinafilme inicia sua política de lançamento de filmes de produção independente

A Dinafilme inicia sua política de lançamento de filmes de produção independente no Circuito Alternativo, com o filme: “Nada Será Como Antes”, 1978 de Ana Maria Saldanha, no auditório do Cineclube do Sindicato dos Jornalista Profissionais do Estado de São Paulo.

1978
1979

Segunda invasão da Dinafilme

No no dia 31 de agosto de 1979, ocorreu a segunda invasão da Dinafilme, desta vez levando mais de 80% do acervo. O Movimento deflagrou campanha nacional, com apoio da sociedade civil, recuperou os filmes brasileiros apreendidos. Os estrangeiros foram entregues à Cinemateca Brasileira, sob condição de não mais voltarem aos cineclubes. 

1979
1980

Os cineclubes paulistas vão às portas dos cinemas protestar contra a transformação das salas comerciais em Salas Especiais

Os cineclubes paulistas invadem os saguões dos cinemas protestam contra a transformação das salas comerciais em Salas Especiais, com o fim de exibir o filme “O Império dos Sentidos”, 1976, de Nagisa Oshima, estopim para o início da produção do filme pornográfico no Brasil, precipitando o fim do território cinematográfico paulista, pejorativamente denominado “Boca do Lixo”.

1980
1981

Cineclube Bixiga

Foi inaugurado o Cineclube Bixiga em São Paulo, no dia 26 de maio, funcionando de segunda a segunda, com projeções em 35 mm, com a exibição os filmes: “Deus e o Diabo na Terra do Sol”, 1964 de Glauber Rocha e “Os Companheiros” 1963 de Mario Monicelli.

1981
1982

Cineclube da Fatec edita o livro “Movimento Cineclubista”

O Cineclube da Fatec edita o livro “Movimento Cineclubista” de Felipe Macedo.

1982
1984

CNC editar o jornal “Imagemovimento”

A então Diretoria Executiva do CNC começa a editar o jornal “Imagemovimento” e cria o troféu “Macunaíma”, entregue nos festivais de Cinema Brasileiro.

1984
1985

19ª Jornada Nacional

Durante a realização da 19ª Jornada Nacional, os Cineclubes promoveram uma passeata nas ruas de Ouro Preto, contra o fechamento do Cine Teatro Vila Rica. Em 2004 o Cinema foi reaberto, depois que a Universidade Federal adquiriu o prédio, sede inicial do Festival de Cinema de Ouro Preto, MG. Animou a passeata um samba enredo construído no decorrer dos protestos, além de faixas e cartazes!

1985
1989

22ª Jornada Nacional de Cineclubes em Campinas

Em 1988, o CNC, realizou a 22ª Jornada Nacional de Cineclubes em Campinas. Esvaziada, a jornada foi o início dos últimos suspiros do Movimento, antes da sua segunda desarticulação, ocorrida logo após a 23ª Jornada ocorrida em Vitória, ES, isso em pleno processo de redemocratização do país!

1989
2002

Seminário: “Olhar Sobre Telas”

 O Centro Cineclubista de São Paulo, realiza o Seminário: “Olhar Sobre Telas” e lança manifesto homônimo, conclamando cineclubistas do país a rearticularem do Movimento Cineclubista Brasileiro.

2002
2003

Movimento Cineclubista se rearticula

O Movimento Cineclubista se rearticula. Duas proposições vêm à tona, uma que defendeu a rearticulação pela base, outra que postulou reorganizar o Movimento pela cúpula. Prevaleceu a segunda, as consequências se fazem presentes na contemporaneidade dos cineclubes.

2003
2007

Editada a Iinstrução Normativa Nº 63

No dia 02 de outubro de foi editada a INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 63 da ANCINE, que estabeleceu normas de registro dos cineclubes naquele órgão e mantém, na essência, a mesma definição do que é o cineclube, contida na Lei 5.536 de 21 de novembro de 1968.

2007
2006

Re-fundação do Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros

Em 13 de junho de 2006, é reorganizado o Conselho Nacional de Cineclubes, que passa a chamar Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros, e é incorporado ao estatuto, com aval da Assembleia Geral, como sendo uma reestruturação do antigo Conselho Nacional de Cineclubes, com outro CNPJ.

2006
2013

 Assembleia Geral do CNC

Em 2013, ocorreu em Vitória, ES, uma Assembleia Geral Extraordinária do CNC, não prevista nos Estatutos do CNC com um ponto de pauta: Eleger nova diretoria da entidade, com um objetivo: realizar até o final daquele ano a 29ª Jornada Nacional. A mesma só veio a acontecer em 2015, em Itaparica-BA.

2013
2019

30ª Jornada Nacional de Cineclubes

Ocorreu na cidade de Viçosa, MG, a 30ª Jornada Nacional de Cineclubes.

2019

O que foi a Dinafilme?

Distribuidora Nacional de Filmes para Cineclubes – DINAFILME , foi criada pelos cineclubes na X Jornada Nacional, ocorrida na cidade de Juiz de Fora, MG, em 1976. Sua gênesis se referencia na experiência levada a cabo por Marco Aurélio Marcondes no Rio de Janeiro, com o lançamento nos cineclubes do filme documentário “Passe Livre”, 1974, dirigido por Oswaldo Caldeira, baseado na vida do jogador Afonsinho, que foi proibido de jogar futebol pelo Palmeiras, por deixar crescer a barba e os cabelos e ter se recusado a cortá-los.

O primeiro acervo da Dinafilme foi constituído de filmes oriundos da Cinemateca Brasileira, que lá eram destinados a difusão e foram doados por Paulo Emílio Salles Gomes, então conservador da cinemateca, para a recém-criada Federação Paulista de Cineclubes e posteriormente incorporados ao acervo da distribuidora.

Uma das grandes questões colocadas para o Movimento Cineclubista, quando de sua reorganização em 1974, era criar um canal de acesso a filmes, controlada pelos cineclubes, uma vez que os existentes, além do aluguel inacessível para os cineclubes, a maioria dos filmes disponíveis não atendiam os propósitos dos cineclubes da época.

A percepção de que os cineclubes não poderiam depender do mercado comercial e tão pouco do Estado, por meio da Empresa Brasileira de Filmes, S.A. – EMBRAFILME -, para terem acesso a filmes de seus interesses, foi tema da oitava e continuou na nona Jornada, ocorrida em Campinas, SP, em 1975. No intervalo entre a nona e a décima jornada, a Diretoria do CNC, reconheceu a demanda dos cineclubes, o que não tinha acontecido antes, no sentido dos cineclubes terem controle dos seus próprios mecanismos de distribuição. A plenária da Jornada de Juiz de Fora, decidiu pela criação da Dinafilme. Na jornada a de Campina Grande, PB, discutiu a necessidade de um Regimento Interno, o que foi aprovado na Jornada seguinte em Caxias do Sul, 1978.

A Dinafilme surgiu como uma reação ao produto massificado da indústria cinematográfica estrangeira, dominante no Brasil. Ela fez circular pelo país filmes marginalizados pelo mercado exibidor e pela violência imposta pela Censura, gerando renda aos realizadores, mantendo viva a possibilidade de os cineastas continuarem produzindo e, por seu lado, criando empregos e renda a parcela do setor cinematográficos, dos cineclubes e cineclubistas.

A Dinafilme foi por sua natureza uma distribuidora sem fins lucrativos, coesa com os princípios democráticos dos cineclubes, e fez chegar seus filmes nos mais diversos e adversos rincões do país, atingindo um significativo número de público, consagrando à discussão do cinema na sociedade, num relevante contexto histórico do país naquele período.

Esta pequena e audaciosa distribuidora fez chegar ao conhecimento do público, por meio dos cineclubes, filmes da América Latina, Caribe e do chamado Terceiro Mundo, tendo para isso que romper as barreiras coercitivas impostas pelo produto estrangeiro e pela Ditadura Militar.

Em atos de desobediência civil e espírito de rebeldia, os cineclubes contribuíram significativamente para que o país conquistasse seu direito a democracia.

Cartas e Manifestos

CARTA DE ANÁPOLIS

Carta endereça à Diretoria do Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros – CNC -, elaborada e aprovada pelos representantes dos cineclubes da região Centro-Oeste presentes ao Iº Encontro Regional realizado nos dias 17 e 18 de abril de 2001, denominada “Carta de Anápolis”. Ao senhor Luiz Alberto CassolPresidente do Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros (CNC) Prezado…

Continue lendo

Carta de Atibaia do Conselho Nacional de Cineclubes – 2011

A direção do CNC – Conselho Nacional de Cineclubes Brasileiros – reunida de 09 a 11 de maio de 2011, durante o 6º FAIA – Festival de Atibaia Internacional do Audiovisual, vem reafirmar o seu posicionamento relativo aos seguintes pontos: – A continuidade das políticas culturais, das conquistas e dos espaços institucionais de participação alcançados pelo CNC;…

Continue lendo

SOBRE A CARTA DE CURITIBA

Documento ícone do Movimento Cineclubista Brasileiro, marcou por muito tempo as atividades dos cineclubes do século passado e continua repercutindo até os dias atuais. O tempo histórico, que isenta as paixões e cede lugar à razão, reclama pesquisa e pontos de vistas diversos sobre o texto em questão. DGS CARTA DE CURITIBA 1. O cineclubismo…

Continue lendo

Carta de Tabor

A Federação Internacional de Cineclubes – FICC -, organização de defesa e desenvolvimento do cinema como meio cultural, presente em mais de 75 países, é a associação mais adequada para a organização do público receptor dos bens culturais audiovisuais. Consciente das profundas mudanças no campo audiovisual, que geram uma desumanização total da comunicação, a FICC,…

Continue lendo